quarta-feira, 21 de abril de 2021

Caminhos



 Alice disse ao Gato:

"Poderia me dizer, por favor, que caminho devo tomar para ir embora daqui?"
"Depende bastante de para onde quer ir", respondeu o Gato.
"Não me importa muito para onde", disse Alice.
"Então não importa que caminho tome", disse o Gato.
"Contanto que eu chegue a algum lugar", Alice acrescentou à guisa de explicação.
"Oh, isso você certamente vai conseguir", afirmou o Gato, "desde que ande o bastante."


Essa é uma narrativa comum na clínica e fora dela. As pessoas buscam saber qual caminho seguir, querem direções dadas, sem se responsabilizar pela escolha do caminho, nem acreditam na própria capacidade de escolher.
Quando não direcionamos nossa vida, ela nos direciona. Em algum lugar, chegaremos. Psicologizar também é tornar-se responsável pela parte de nossas próprias vidas da qual temos responsabilidade.
É inevitável não garantirmos o ponto de chegada, mas sem um objetivo, não há nem ponto, nem chegada.
E vale o trajeto sem objetivo?
No processo terapêutico, não há um estágio final e total, o objetivo é o próprio percorrer do caminho. A vida não tem sentido se não houver o viver.