quinta-feira, 13 de abril de 2017

A importância dos sonhos para a saúde mental

Desejo boas-vindas para todos os que acessam ao portal Paraná + Saúde, projeto este que se inicia em parceria com alguns colegas da área da saúde. Como psicólogo de orientação predominantemente analítica (Junguiana), venho nesta primeira notícia buscar esclarecer alguns pontos que considero relevantes para que o público que busca os serviços de psicologia, e até mesmo profissionais da área que estão em início de carreira ou em processo de formação, compreenda minha visão sobre a importância da interpretação de sonhos.

  Já parou para se questionar quanto tempo de nossas vidas passamos dormindo? É uma parcela significativa, ainda mais considerando de forma acumulativa ao longo do tempo, e levando em conta a correria que grande parte da população vive, principalmente nos grandes centros urbanos.

  E se pudéssemos aproveitar esse tempo de alguma forma, além dos benefícios do descanso? Na verdade, nós já aproveitamos. Mesmo as pessoas que dificilmente se lembram de seus sonhos quando acordam, sonham durante grande parte da noite.

  O psicólogo junguiano pode utilizar a interpretação dos sonhos como ferramenta para a compreensão do psiquismo da pessoa. Para isso, deve levar em consideração que a linguagem onírica (dos sonhos) não deve ser interpretada de forma literal, pois nosso pensamento inconsciente não segue a linguagem que somos educados. Interpretar símbolos dos sonhos sempre de forma fixa (como através de um dicionário) ocasionará em similar falha da interpretação, visto que embora hajam alguns padrões, cada símbolo possui significados diferentes para cada pessoa. Também deve-se cuidar para que não se tente simbolizar tudo, pois existem sonhos que ocorrem através de uma linguagem mais simbólica (aqueles que racionalmente mais causam estranhamento ao sonhador), assim como aqueles que ocorrem sob maior influência das funções racionais (onde as imagem se aproximam mais fielmente de suas características da realidade, ou como se diz, "as vezes um cachimbo é só um cachimbo"). Cada tipo de sonho possui sua função, por isso não existem sonhos com maior ou menor valor. 

  Sob essa perspectiva geral, é possível compreender que a interpretação dos sonhos dentro da Psicoterapia Junguiana pode ser uma ferramenta de contato do sujeito com suas funções inconscientes, possibilitando melhor compreensão de seus sentimentos, atitudes e pensamentos, assim como escolhas mais decididas em todas as áreas. 

  Os sonhos possuem função reguladora, pois é neste momento em que alguns pensamentos e sentimentos podem se expressar de forma livre ás regras impostas pela realidade. Estudos apontam que pessoas que são acordadas no momento em que iniciam a sonhar, podem apresentar maiores dificuldades de distinguir o real do irreal quando acordadas. Isso ocorre, pois quando dormimos, as capacidades lógicas de nossa mente descansam, e embora não sejam de vez desligadas durante o sono, retornam ás suas atividades revigoradas.

  Além disso, o pensamento não lógico é fundamental para todos nós. A vivência do conteúdo inconsciente permite nos reestruturarmos após uma perda significativa, termos contato com nossos desejos e fontes de felicidade, e até mesmo despertar ao nosso instinto alertas do que devemos ou não fazer, através de experiências vividas durante o sono. Estes processos que são vividos de forma intensificada durante o sono também estão presentes durante o período de vigília (quando a pessoa está acordada), porém muitas vezes não nos damos conta.

  Casos onde as pessoas sonham com acontecimentos que irão ocorrer de fato acontecem, mas não possuem explicação sobrenatural. Na verdade, o que ocorre é uma percepção, normalmente de forma inconsciente, de indícios ou sinais que predispõe ou indicam certa probabilidade de que tal acontecimento poderá ocorrer. Em alguns casos, acabam ocorrendo. 




Renan M. Franklin

Psicólogo e Psicoterapeuta em Curitiba