quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

As portas de entrada para as drogas

 Inicio esta publicação desejando um ótimo 2016 para todos os leitores.
 Começaremos este ano falando sobre as chamadas "portas de entrada" para as drogas. Tenho visto diversos profissionais e pesquisas recentes apontando para que a maconha, e mais recentemente, o álcool, sejam uma porta de entrada para o mundo do uso de drogas, mas me questiono sobre se podemos de fato considerar desta forma.
 A substituição da compreensão de que é o álcool, e não a maconha, a porta de entrada, ocorre pelo entendimento de que o álcool também é uma droga. Ele comumente já era utilizado pelas sociedades em idades mais precoces em relação ao primeiro uso da maconha, porém era visto como algo normal, não que de fato o álcool agora esteja começando a ser usado antes que a maconha.
 Lembro que o conceito de droga, adotado pela Organização Mundial da Saúde, é de qualquer substância que ao ser inserida no organismo, cause alterações em seu funcionamento, não havendo qualquer julgamento moral nesta categorização.
 Masessão de que são um passo necessário, ou ao dizer que estas substâncias são portas de entrada, dão a falsa impr menos um fator que ao ocorrer, aumentaria as possibilidades de que o indivíduo utilize outras substâncias. De fato, a taxa de usuários de outras drogas que utilizaram primeiro a maconha ou o álcool é maior que daqueles que não utilizaram antes estas substâncias, mas a questão não gira em torno do uso destas drogas levarem ao de outras, mas sim, de que estas drogas possuem mais fácil acesso que outras (por diversos fatores, principalmente cultural), e de que usuários que utilizam essas drogas podem possuir fatores de risco que aumentam a possibilidade de que,independente do uso da maconha ou do álcool, utilizem outras substâncias.
 Não adianta querermos culpar só os traficantes de maconha ou produtores de álcool pelo uso de todas as drogas. A causa do uso é múltipla, tendo como comuns fatores de risco a personalidade compulsiva, problemas na educação, na saúde, a exclusão social, os conflitos em relacionamentos, a sociedade individualista, problemas financeiros e emocionais, entre outros. A culpa está naquilo que cada um de nós deixamos de fazer por uma sociedade melhor para todos. A exclusão social sim é a principal porta de entrada para o uso de drogas.
 Se fosse para apontar uma droga como porta de entrada (no sentido de que são utilizadas anteriormente), eu apontaria aos medicamentos farmacológicos, que também são consideradas drogas, e valorizam uma cultura onde o uso de uma substância pode resolver problemas, angústias, dores, sofrimentos, sem levar muito em conta os efeitos colaterais, além de muitas vezes ser proposto em um contexto não esclarecedor de que a dor não é o problema, mas um sinal de que algo não está bem.

Renan M. Franklin
Psicólogo e Psicoterapeuta em Curitiba